ISSN: 1678-4006
Banner Parceiro Call

Terça-Feira, 19 de Março de 2019, 20:01:21


 
 BENCHMARK
 CALL CENTER BRASIL
 CASES/PREMIAÇÕES
 EXECUTIVOS
 INTERNET/REDES SOCIAIS
 MARKETING E MERCADO
 MOBILIÁRIO CORPORATIVO
 OPORTUNIDADES
 PESQUISA DE MERCADO
 PRODUTOS E SERVIÇOS
 PROMOÇÕES
 PUBLICAÇÕES
 RECURSOS HUMANOS
 SAÚDE
 TECNOLOGIA TI/TIC
 TREINAMENTO


 
PUBLICIDADE

 

 

 


 
 

 
Notícias

Pesquisa mostra que empresas não conseguem implementar suas estratégias de negócios

Realizado junto a 45 empresas com faturamento acima de R$ 50 milhões, estudo mostra que camada gerencial e áreas operacionais não participam da formulação e da implementação dos planos de negócios A estratégia da maioria das empresas com operações no Brasil não está chegando aos gerentes e às áreas operacionais. Tanto a formulação das diretrizes quanto a implementação dos planos de negócios ficam, na maioria dos casos, restritas ao círculo de diretores, superintendência e presidência. Resultado: as organizações estão tendo dificuldades para tirar seu planejamento do papel. Essa é a principal conclusão de pesquisa realizada pela consultoria Symnetics - Business Transformation, especializada em projetos de Balanced Scorecard, em parceria com a empresa de pesquisas H2R. O estudo levantou informações em 45 empresas cujo faturamento é superior a R$ 50 milhões/ano. Cerca de 64% das companhias investigadas registrou em 2001 faturamento superior a R$ 500 milhões e têm em seus quadros mais de 1000 funcionários.   Segundo o estudo, a formulação da estratégia é um dos pontos críticos do processo. Apenas 63% dos gerentes participam da definição de novos negócios e novos mercados a serem explorados pelas empresas, contra 87% de participação entre diretores. Quando o assunto é definição de investimentos, apenas 47% dos gerentes são envolvidos nas discussões corporativas contra 93% dos executivos que ocupam cargos de diretoria. Na definição de metas, as camadas gerenciais e operacionais, que terão que dar conta do recado, em última instância, também não têm poder de fogo para apresentar sua visão ao alto comando. Apenas 56% dos gerentes têm alguma participação na definição de objetivos. Já os diretores participam dessa definição em 87% dos casos. “A camada gerencial está espremida nas organizações. Embora não participem da formulação das estratégias, os gerentes têm que dar respostas aos escalões inferiores e têm que gerar os resultados definidos pela diretoria, acionistas e presidência” avalia Mathias Mangels, sócio diretor da Symnetics e um dos coordenadores do estudo. “Este modelo tende a entrar em colapso e as empresas não conseguem avançar na implantação de suas estratégias”, sintetiza o consultor.Outro indicador preocupante levantado pela pesquisa revela um profundo desconhecimento da estratégia nas organizações. “O problema não se resume à participação nas definições. As empresas não estão informando com clareza a seus colaboradores qual a estratégia definida para a empresa”, diz Mangels. Segundo o levantamento, 40% dos gerentes entrevistados não souberam informar a estratégia da companhia a qual estão subordinados e 20% não souberam definir sequer a missão de suas empresas.Quando se confronta os dados de quem participa da implementação e quem estará encarregado de executar os projetos, surgem outros indicadores que revelam a inconsistência na montagem dos planos de negócios. Cerca de 69% dos gerentes das empresas participam da implementação de novos produtos. Mas apenas 56% deles se envolvem na definição de prazos, 47% têm alguma influência na adequação de estrutura e apenas 50% deles estão envolvidos na definição de responsabilidades. A liderança intermediária vive o problema de forma mais dramática. Cerca de 71% dos entrevistados, que ocupam posições de coordenação, abaixo das gerências, estão envolvidos diretamente com a implementação de novos produtos, mas apenas 47% deles influenciam na definição de prazos, somente 41% participam da definição de indicadores e apenas 24% deles contribuem para definição do quadro de responsabilidades. “A ordem vem de cima e esbarra na realidade de quem não foi ouvido no processo”, diz Mangels.Áreas A pesquisa também avaliou a participação das diferentes áreas na formulação e implementação da estratégia dentro das empresas. Segundo os dados da pesquisa, os departamentos de finanças, marketing e vendas estão amplamente envolvidos na formulação e implementação das estratégias de negócios.  Mas áreas críticas como logística, RH, pesquisa e informática participam do processo com baixo grau de envolvimento. A área de RH, por exemplo, se limita a comunicar a estratégia, mas não atua efetivamente para implementá-la. Apenas 36% dos entrevistados dizem que a área que cuida do capital humano das companhias é consultada na hora de se definir investimentos. E apenas 64% dizem que o RH participa da definição de iniciativas. “São índices muito baixos para uma área tão estratégica”, diz Mangels.A estratégia da maioria das empresas com operações no Brasil não está chegando aos gerentes e às áreas operacionais. Tanto a formulação das diretrizes quanto a implementação dos planos de negócios ficam, na maioria dos casos, restritas ao círculo de diretores, superintendência e presidência. Resultado: as organizações estão tendo dificuldades para tirar seu planejamento do papel. Essa é a principal conclusão de pesquisa realizada pela consultoria Symnetics - Business Transformation, especializada em projetos de Balanced Scorecard, em parceria com a empresa de pesquisas H2R.O estudo levantou informações em 45 empresas cujo faturamento é superior a R$ 50 milhões/ano. Cerca de 64% das companhias investigadas registrou em 2001 faturamento superior a R$ 500 milhões e têm em seus quadros mais de 1000 funcionários.  Segundo o estudo, a formulação da estratégia é um dos pontos críticos do processo. Apenas 63% dos gerentes participam da definição de novos negócios e novos mercados a serem explorados pelas empresas, contra 87% de participação entre diretores. Quando o assunto é definição de investimentos, apenas 47% dos gerentes são envolvidos nas discussões corporativas contra 93% dos executivos que ocupam cargos de diretoria.Na definição de metas, as camadas gerenciais e operacionais, que terão que dar conta do recado, em última instância, também não têm poder de fogo para apresentar sua visão ao alto comando. Apenas 56% dos gerentes têm alguma participação na definição de objetivos. Já os diretores participam dessa definição em 87% dos casos.“A camada gerencial está espremida nas organizações. Embora não participem da formulação das estratégias, os gerentes têm que dar respostas aos escalões inferiores e têm que gerar os resultados definidos pela diretoria, acionistas e presidência” avalia Mathias Mangels, sócio diretor da Symnetics e um dos coordenadores do estudo. “Este modelo tende a entrar em colapso e as empresas não conseguem avançar na implantação de suas estratégias”, sintetiza o consultor.Outro indicador preocupante levantado pela pesquisa revela um profundo desconhecimento da estratégia nas organizações. “O problema não se resume à participação nas definições. As empresas não estão informando com clareza a seus colaboradores qual a estratégia definida para a empresa”, diz Mangels. Segundo o levantamento, 40% dos gerentes entrevistados não souberam informar a estratégia da companhia a qual estão subordinados e 20% não souberam definir sequer a missão de suas empresas.Quando se confronta os dados de quem participa da implementação e quem estará encarregado de executar os projetos, surgem outros indicadores que revelam a inconsistência na montagem dos planos de negócios. Cerca de 69% dos gerentes das empresas participam da implementação de novos produtos. Mas apenas 56% deles se envolvem na definição de prazos, 47% têm alguma influência na adequação de estrutura e apenas 50% deles estão envolvidos na definição de responsabilidades.A liderança intermediária vive o problema de forma mais dramática. Cerca de 71% dos entrevistados, que ocupam posições de coordenação, abaixo das gerências, estão envolvidos diretamente com a implementação de novos produtos, mas apenas 47% deles influenciam na definição de prazos, somente 41% participam da definição de indicadores e apenas 24% deles contribuem para definição do quadro de responsabilidades. “A ordem vem de cima e esbarra na realidade de quem não foi ouvido no processo”, diz Mangels.ÁreasA pesquisa também avaliou a participação das diferentes áreas na formulação e implementação da estratégia dentro das empresas. Segundo os dados da pesquisa, os departamentos de finanças, marketing e vendas estão amplamente envolvidos na formulação e implementação das estratégias de negócios. Mas áreas críticas como logística, RH, pesquisa e informática participam do processo com baixo grau de envolvimento. A área de RH, por exemplo, se limita a comunicar a estratégia, mas não atua efetivamente para implementá-la. Apenas 36% dos entrevistados dizem que a área que cuida do capital humano das companhias é consultada na hora de se definir investimentos. E apenas 64% dizem que o RH participa da definição de iniciativas. “São índices muito baixos para uma área tão estratégica”, diz Mangels.

Em: 27/09/2006



:: MAIS RECENTES

  • [19/03/2019] Algar Tech registra o maior lucro líquido de sua história em 2018
  • [19/03/2019] Qlik e DataRobot combinam Inteligência Aumentada e Modelagem Preditiva
  • [19/03/2019] Liq anuncia parceria com a Rappi
  • [19/03/2019] F5 adquire a NGINX por US$ 670 milhões
  • [19/03/2019] Com o crescimento da sua atuação em design digital e inovação, ilegra se consolida no mercado brasileiro
  • [19/03/2019] 83% dos consumidores brasileiros preferem comprar de empresas que defendem propósitos alinhados aos seus valores, afirma estudo da Accenture
  • [19/03/2019] Capgemini é parceira da IDEMIA para lançamento de plataforma segura de gerenciamento de dispositivos IoT
  • [19/03/2019] SoftwareONE e IBM discutem sobre a importância de que dados em nuvem sejam armazenados de maneira segura e a implicação da distância física para os elementos em rede
  • [18/03/2019] CIEE Móvel desembarca na Avenida Paulista
  • [18/03/2019] Gartner identifica cinco mitos sobre o uso de Inteligência Artificial nas empresas

  •  
    VAGAS

      

    VAGAS

    CURRÍCULOS

    Banner Rigel Botão Branco

    Banner Guia Botão

    Banner Kinderen

    Banner Call To Call sistema

    CallToCall Terceirização

    CallToCall Cursos


    Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:


     GUIA ONLINE  |  BANNERS  |  ÉTICA  |  GLOSSÁRIO   |  RESPONSABILIDADE SOCIAL  |   QUEM SOMOS  |  CLIQUE MAIS 

    Sistema Call To Call - 11 5579-0341

    Website criado por interAmplitude