ISSN: 1678-4006
MHEscritórios

Quarta-Feira, 20 de Março de 2019, 22:27:17


 
 BENCHMARK
 CALL CENTER BRASIL
 CASES/PREMIAÇÕES
 EXECUTIVOS
 INTERNET/REDES SOCIAIS
 MARKETING E MERCADO
 MOBILIÁRIO CORPORATIVO
 OPORTUNIDADES
 PESQUISA DE MERCADO
 PRODUTOS E SERVIÇOS
 PROMOÇÕES
 PUBLICAÇÕES
 RECURSOS HUMANOS
 SAÚDE
 TECNOLOGIA TI/TIC
 TREINAMENTO


 
PUBLICIDADE

 

 

 


 

 
 
Artigos

Artigo 2.865 - Os chatbots vão substituir os profissionais de atendimento no futuro? Por Bruno Stuchi
Bruno Stuchi

O relacionamento com o cliente tem a necessidade constante de acompanhar a evolução dos meios de comunicação. Com isso, houve uma reconfiguração de mentalidade nos consumidores, responsável por fazer com que eles passassem a ser mais exigentes quanto a rapidez, qualidade e autonomia nos atendimentos. Neste cenário, os chatbots têm se tornado a solução mais buscada pelas empresas.

Esse aumento no uso de chatbots, acoplado aos consumidores cada vez mais exigentes e imediatistas, é a combinação perfeita para as empresas que, além de suprir as necessidades de seus clientes, deixando-os cada vez mais satisfeitos com o atendimento, garantem maior fidelização à marca, além de poupar recursos (principalmente humano), filtrando e repassando apenas assuntos críticos.

Os chatbots têm apresentado retornos tão satisfatórios que, de acordo com pesquisa feita pela Mindbowser, até o próximo ano 20% das marcas abandonarão seus aplicativos móveis, devido principalmente ao alto custo de manutenção e suporte. Por outro lado, outro dado do levantamento aponta que até 2020 as pessoas conversarão mais com os chatbots do que com seus próprios cônjuges.

Essa mudança de comportamento impacta também no mercado de trabalho: até 2030, os robôs substituirão 800 milhões de empregos, de acordo com estudo da McKinsey. Todos os trabalhos repetitivos, burocráticos e de rotina, que não demandam uma intervenção criativa ou do relacionamento humano serão realizadas por máquinas.

Considerando essa evolução, surge o grande questionamento: poderá o profissional de atendimento ser substituído por robôs? A resposta é sim. Robôs bem configurados, que oferecem soluções completas de serviço, à qualquer data e horário tendem a substituir agentes de atendimento que realizam apenas tarefas mais comuns como oferecer informações, emitir segundas vias de documentos ou realizar consultas em sistemas.

A boa notícia é que a excelência entregue pelos chatbots no relacionamento com o cliente depende de ambos: tecnologia e humanidade. Assim, o papel do novo profissional de atendimento passa da operação em si, agora realizado por chatbots e processos automatizados, para a gestão da jornada do cliente.

Assim, os profissionais de atendimento deverão ser especialistas na gestão dessa tecnologia a fim de garantir uma jornada que atenda tanto o cliente final (com soluções rápidas e satisfatórias) quanto à empresa (com a redução de recursos e eficiência do processo).

O uso da inteligência artificial já é realidade em processos de diversas áreas, principalmente do atendimento ao cliente. Os profissionais do setor já veem grande parte do trabalho antes executado manualmente, ser automatizado e realizado por computadores.

A tecnologia aplicada nos processos do varejo, por exemplo, está presente nas mais diferentes marcas, de pequenas a grandes empresas. No comércio, empresas usam a ferramenta de inteligência artificial – que processa a linguagem natural do dia a dia em um fluxo de conversa automatizado – para, principalmente, oferecer uma boa experiência de compra, do pré ao pós-vendas.

Os robôs podem, nesse cenário, armazenar informações sobre o consumidor, ajudando a evoluir o relacionamento com clientes, resolvendo gaps e otimizando o trabalho nas centrais. Os novos profissionais de atendimento entram nessa etapa: entender as informações retidas pela tecnologia e otimizar a jornada do cliente a partir delas.

Assim, apesar dos indícios que mostram uma substituição de humanos por máquinas, é possível concluir que, a automação e o aumento da utilização de robôs pelo mercado, não vai excluir humanos, mas exigir a especialização e adaptação deles às novas exigências do mercado.

Publicado em: 29/11/2018

Confira os comentários já feitos para este artigo:

 
VAGAS

  

VAGAS

CURRÍCULOS

Banner Rigel Botão Branco

Banner Guia Botão

Fundação Abrinq

Banner Call To Call Cotações

Banner Call To Call Cursos

Banner Call To Call sistema


Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:


 GUIA ONLINE  |  BANNERS  |  ÉTICA  |  GLOSSÁRIO   |  RESPONSABILIDADE SOCIAL  |   QUEM SOMOS  |  CLIQUE MAIS 

Sistema Call To Call - 11 5579-0341

Website criado por interAmplitude