ISSN: 1678-4006
MHEscritórios

Segunda-Feira, 16 de Setembro de 2019, 11:14:50


 
 BENCHMARK
 CALL CENTER BRASIL
 CASES/PREMIAÇÕES
 EXECUTIVOS
 INTERNET/REDES SOCIAIS
 MARKETING E MERCADO
 MOBILIÁRIO CORPORATIVO
 OPORTUNIDADES
 PESQUISA DE MERCADO
 PRODUTIVIDADE/INCENTIVOS
 PRODUTOS E SERVIÇOS
 PROMOÇÕES
 PUBLICAÇÕES
 RECURSOS HUMANOS
 SAÚDE
 TECNOLOGIA TI/TIC
 TREINAMENTO


 
PUBLICIDADE

 

 

 


 

 
 
Artigos

Artigo 2.675 - Como aumentar a inteligência de negócios no varejo? Por André Romero
André Romero

O ano mal começou, mas certamente a maior preocupação das empresas é aumentar as vendas num período ainda marcado pela crise. Nesse cenário, é comum que tanto a indústria quanto o varejo recorram a estratégias que vão muito além de promoções que liquidam mercadorias, mas aniquilam os lucros.

Sendo assim, o jeito é apelar para a inteligência de negócios, que é muito melhor aproveitada se vier carregada de tecnologia. O uso de softwares, por exemplo, é uma tendência. Por meio da captação de informação por sistemas fica muito mais fácil analisar o comportamento do consumidor a fim de influenciá-lo na tomada de decisão pela compra de um produto. Atualmente, até os pequenos varejos já estão investindo nesse tipo de ferramenta.

Outro recurso que vem expandindo muito são as câmeras escondidas. Elas são capazes de acompanhar o fluxo dentro de um ponto de venda e gerar mapas de calor, apontando os locais mais nobres para a exposição de um produto. Com elas, é possível descobrir para onde o consumidor olha, o que o atrai. Shoppings centers costumam usar essa tecnologia para negociar os melhores aluguéis para os pontos mais estratégicos de circulação.

Há ainda a possibilidade de realizar "laboratórios" em lojas específicas com um estratégico e heterogêneo grupo de clientes. A ideia é fazer pesquisas focais utilizando tecnologia e criando um ambiente favorável para a exposição de ideias e troca de informações entre profissionais do varejo e consumidores. Dar voz ao cliente é barato, simples e muito eficaz.

Cabe destacar também a importância de criar uma sinergia entre varejo e indústria. Enquanto um está na ponta, analisando comportamentos e gerando informação, o outro é o que tem a capacidade produtiva, podendo criar produtos que realmente atendam às necessidades e desejos do consumidor. É preciso criar mais parcerias estratégicas entre as duas pontas, gerando ganhos para todos.

Contudo, infelizmente, tanto o varejo quanto a indústria tendem a achar que tecnologia e inteligência de negócio são ações caras e de complexa implantação. Mas, a verdade é que boas ações nesse sentido podem acarretar em ações estratégicas de marketing muito mais eficientes e financeiramente rentáveis. Para isso, basta realizar um estudo do impacto financeiro relacionado à economia que a assertividade traz quanto se tem informações mais qualificadas.

Por fim, de nada adianta gerar informação se elas não forem muito bem processadas. O ponto mais importante na inteligência de negócio não é a tecnologia em si - essa é apenas um meio. O que realmente faz a diferença é a interferência humana, analisando as informações e criando ações que gerem resultados. A combinação perfeita entre tecnologia e gestão da informação é o que certamente vai garantir um 2018 com lucros melhores, mesmo em tempos difíceis. Pode apostar.

André Romero é diretor da Red Lemon Agency, agência especializada em comunicação, field marketing e ações promocionais

Publicado em: 22/01/2018

Confira os comentários já feitos para este artigo:

 
VAGAS

  

VAGAS

CURRÍCULOS

Banner Rigel Botão Branco

Banner Guia Botão

Fundação Abrinq

Banner Call To Call Cotações

Banner Call To Call Cursos

Banner Call To Call sistema


Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:


 GUIA ONLINE  |  BANNERS  |  ÉTICA  |  GLOSSÁRIO   |  RESPONSABILIDADE SOCIAL  |   QUEM SOMOS  |  CLIQUE MAIS 

Sistema Call To Call - 11 5579-0341

Website criado por interAmplitude