ISSN: 1678-4006
MHEscritórios

Segunda-Feira, 17 de Junho de 2019, 03:37:27


 
 BENCHMARK
 CALL CENTER BRASIL
 CASES/PREMIAÇÕES
 EXECUTIVOS
 INTERNET/REDES SOCIAIS
 MARKETING E MERCADO
 MOBILIÁRIO CORPORATIVO
 OPORTUNIDADES
 PESQUISA DE MERCADO
 PRODUTOS E SERVIÇOS
 PROMOÇÕES
 PUBLICAÇÕES
 RECURSOS HUMANOS
 SAÚDE
 TECNOLOGIA TI/TIC
 TREINAMENTO


 
PUBLICIDADE

 

 

 


 

 
 
Artigos

Artigo 2.257 - A Internet das Coisas e Dados: grandes poderes trazem grandes responsabilidades, por Carlos Eduardo Salvador
Carlos Eduardo Salvador

A internet das coisas (ou internet of things em inglês - IoT) já passou o estágio de curiosidade e de especulação para o momento em que aplicações de negócios práticas estão sendo construídas. E há a necessidade para um desenvolvimento mais cuidadoso, com políticas e padrões, para que ela avance do jeito correto.

Já estamos vendo aplicações extremamente práticas oriundas da chamada "Internet Industrial," o foco de grupos como o Consórcio da Internet Industrial e empresas como a GE, que estão incorporando sensores em equipamentos de nível industrial que vão de motores de aeronaves a ferramentas elétricas, o que está aumentando de maneira dramática a eficiência e o conhecimento dos processos de produção. De acordo com estimativa da GE, há cerca de 10 bilhões de aparelhos conectados na Internet Industrial atualmente.

Há, também, uma série de iniciativas motivadas pelo IoT que estão aparecendo nas mais diversas áreas possíveis, que podem ir do setor de saúde a gerenciamento urbano e biologia marinha. Não é preciso nem dizer que há muito poder relacionado com o uso da Internet das Coisas. E com isso, é claro, surge grandes responsabilidades. E é neste exato momento que os dados começam a aparecer de maneira crucial — já que a IoT não é exatamente sobre as coisas, mas, sim, sobre os dados indo de um lado para o outro entre essas coisas.

Desta maneira, vimos no ano passado demandas por uma "estratégia nacional de IoT" que propõe, ao mesmo tempo, crescimento econômico apoiado em IoT na mesma medida em que cria as salvaguardas para manter a segurança e a privacidade.

Em um artigo recente, Kenneth Corbin relatou na CIO algumas discussões acontecendo entre autoridades do governo dos Estados Unidos sobre as implicações e as possibilidades dos dados de IoT. Uma política nacional poderia ajudar a solidificar o suporte para conseguir resgatar os benefícios da IoT, ao mesmo tempo em que seria capaz de restringir as centenas de regulações pontuais que poderiam restringir o seu potencial.

Há demandas por um "esforço concentrado no governo federal dos Estados Unidos que seja capaz de trazer em conjunto as várias agências que possuem um papel no ambiente regulador para aplicações de IoT e para desenvolver uma estratégia nacional coesa capaz de identificar áreas nas quais o governo poderia incentivar investimento, inovação e adoção… É preciso que essa iniciativa encorpore uma ampla faixa do governo federal, já que os aparelhos e aplicações IoT estão avançando em diversos segmentos de mercado e em diferentes setores no espectro de regulação."

Os dados, por si mesmos, já são uma poderosa força de inovação e, cada vez mais, estão no centro de várias discussões políticas. Corbin aponta para um relatório recente do Centro de Inovação em Dados que conclui que há "oportunidades incríveis para aproveitar melhor os dados para resolver questões sociais importantes e para estimular o crescimento econômico."

Chegou o momento que as autoridades políticas – assim como para os executivos com funções estratégicas nas empresas – precisam abraçar os imensos recursos que os dados de IoT estão gerando. Monika Jha afirma que "o momento é crucial para se preparar e para ter as medidas adequadas em vigor para lidar com a gigantesca onda de dados que vai chegar em pouco tempo." Isso exige, no nível da organização, estratégias e metodologias para Big Data que vão muito além do que as corporações dispõem atualmente.

E isso não está restrito a ferramentas de análise e plataformas, mas da infraestrutura de rede e a presença capaz de fazer isso acontecer, aponta Jha. "A eficiência do IoT depende de uma transmissão de dados efetiva," ela afirma. "Para que os aparelhos prontos para IoT consigam ser inteligentes e conectados, as empresas vão precisar criar uma camada inteiramente nova de infraestrutura de tecnologia. Junto com essa rede, comunicações vão ser necessárias para suportar a conectividade, assim como uma nuvem de produto responsável pelo banco de dados. Para que tudo isso seja implementado com sucesso, também haverá a necessidade de uma plataforma na qual a base vai ser construída para criar aplicações em software que vão funcionar como portais para acessar os dados desses aparelhos. Tudo isso, por sua vez, vai permitir que os dados sejam enviados para outros aparelhos na internet, conectando, enfim, esses produtos (ou coisas) aos sistemas das empresas."

Para 2016, há muito trabalho – e muito raciocínio – pela frente, enquanto a IoT revoluciona o cenário dos dados.

Publicado em: 12/08/2016

Confira os comentários já feitos para este artigo:

 
VAGAS

  

VAGAS

CURRÍCULOS

Banner Rigel Botão Branco

Banner Guia Botão

Fundação Abrinq

Banner Call To Call Cotações

Banner Call To Call Cursos

Banner Call To Call sistema


Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:


 GUIA ONLINE  |  BANNERS  |  ÉTICA  |  GLOSSÁRIO   |  RESPONSABILIDADE SOCIAL  |   QUEM SOMOS  |  CLIQUE MAIS 

Sistema Call To Call - 11 5579-0341

Website criado por interAmplitude