ISSN: 1678-4006
MHEscritórios

Domingo, 16 de Junho de 2019, 03:38:18


 
 BENCHMARK
 CALL CENTER BRASIL
 CASES/PREMIAÇÕES
 EXECUTIVOS
 INTERNET/REDES SOCIAIS
 MARKETING E MERCADO
 MOBILIÁRIO CORPORATIVO
 OPORTUNIDADES
 PESQUISA DE MERCADO
 PRODUTOS E SERVIÇOS
 PROMOÇÕES
 PUBLICAÇÕES
 RECURSOS HUMANOS
 SAÚDE
 TECNOLOGIA TI/TIC
 TREINAMENTO


 
PUBLICIDADE

 

 

 


 

 
 
Artigos

Artigo 2.131 - A hora certa para engajar clientes, por Daniel Bulach
Daniel Bulach

Em um cenário econômico desafiador, todos os setores da economia estão sujeitos a incertezas e dificuldades na sustentação do negócio. Com o varejo não é diferente, uma vez que muitos consumidores têm desistido ou adiado a compra de produtos e serviços. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) comprovam: o varejo no País já acumula retração de 3,3% em 2015.

As datas tradicionais, como Dias das Mães, Namorados, Pais e Crianças, que historicamente geram mais receita, vêm decepcionando em 2015, com quedas constantes nas vendas após anos consecutivos de crescimento. Até mesmo a expectativa de vendas no Natal diminuiu, confirmando o desafio pelo qual o varejo está passando neste momento no Brasil.

Para avaliar a intenção de compra dos consumidores brasileiros, uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), desenvolvida em conjunto com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), ouviu 601 consumidores em novembro deste ano em todas as capitais do País. Os resultados indicaram que 93% dos entrevistados afirmaram que vão presentear alguém no Natal. O número surpreendeu, pois é maior que o registrado em 2014, quando 87% dos entrevistados deram a mesma resposta. O valor médio de gasto previsto, no entanto, caiu de R$ 125,22 no ano passado para R$ 106,94.

Como os consumidores que vão às compras estão com menos dinheiro no bolso, conhecer o perfil dos clientes é cada vez mais estratégico para que as empresas de varejo se diferenciem no mercado e garantam aumentos expressivos nas vendas. Entender o que o cliente deseja e criar uma comunicação envolvente, direta e assertiva em todos os processos da venda, inclusive no pós-compra, antes, durante e após a venda, é uma oportunidade para os lojistas encerrarem 2015 com mais receita.

Mas, como traçar uma estratégia eficiente com baixo custo?

Uma alternativa viável que vem apresentando bons resultados é o SMS (Short Message Service – em português Serviço de Mensagens Curtas). A versatilidade do SMS como ferramenta de comunicação com o cliente é um dos grandes atrativos dessa estratégia, que contribui para que lojas físicas e o e-commerce se diferenciem dos concorrentes no relacionamento com o consumidor. O SMS é compatível com 100% dos celulares, apresenta taxa de abertura de 98% (segundo pesquisa independente da Frost & Sullivan) e tem um custo extremamente baixo em relação às outras plataformas de relacionamento. Outra vantagem é a garantia de entrega da mensagem aos destinatários em tempo real, com a possibilidade de segmentação por público de acordo com a mensagem enviada.

O SMS também oferece um leque amplo de funções, pois é útil para comunicar promoções, lançamentos de produtos, ofertas relâmpago, cupom de descontos e, ainda, gerar lembretes e pesquisas de satisfação. Além disso, o SMS é versátil, podendo ser direcionado para qualquer quantidade de público, sejam 100 ou 100 mil clientes, com a vantagem de ser rastreável e personalizável, permitindo que as empresas customizem as mensagens e acompanhem em tempo real a aceitação das campanhas.

Como os consumidores têm buscado atendimento de melhor qualidade e serviços agregados aos produtos, não basta vender, é preciso desenvolver um relacionamento pós-venda com o cliente, integrá-lo ao negócio. A loja que desenvolve ações que valorizam e engajam o consumidor conquista resultados significativos de vendas.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com o Instituto Data Popular, realizou uma pesquisa com 33 mil consumidores de pequenos varejistas, em 73 municípios do Brasil. Os dados mostram que 37% dos pequenos empresários varejistas mantêm algum tipo de relacionamento com o cliente após a venda, seja pessoalmente por e-mail, telefone ou redes sociais. A qualidade do atendimento foi indicada pela maioria dos brasileiros como fator prioritário para a decisão de compra, em comparação com a avaliação dos preços dos produtos. Os dados são reveladores, pois 73% dos comerciantes brasileiros estão perdendo vendas ao não investirem em relacionamento.

Para superar os desafios atuais, sem dúvida, este é o melhor momento para o varejo brasileiro investir em uma estratégia eficiente de relacionamento com clientes para ampliar as oportunidades de vendas e faturar muito mais.

Publicado em: 18/12/2015

Confira os comentários já feitos para este artigo:

 
VAGAS

  

VAGAS

CURRÍCULOS

Banner Rigel Botão Branco

Banner Guia Botão

Fundação Abrinq

Banner Call To Call Cotações

Banner Call To Call Cursos

Banner Call To Call sistema


Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:


 GUIA ONLINE  |  BANNERS  |  ÉTICA  |  GLOSSÁRIO   |  RESPONSABILIDADE SOCIAL  |   QUEM SOMOS  |  CLIQUE MAIS 

Sistema Call To Call - 11 5579-0341

Website criado por interAmplitude