ISSN: 1678-4006
MHEscritórios

Domingo, 22 de Setembro de 2019, 17:20:30


 
 BENCHMARK
 CALL CENTER BRASIL
 CASES/PREMIAÇÕES
 EXECUTIVOS
 INTERNET/REDES SOCIAIS
 MARKETING E MERCADO
 MOBILIÁRIO CORPORATIVO
 OPORTUNIDADES
 PESQUISA DE MERCADO
 PRODUTIVIDADE/INCENTIVOS
 PRODUTOS E SERVIÇOS
 PROMOÇÕES
 PUBLICAÇÕES
 RECURSOS HUMANOS
 SAÚDE
 TECNOLOGIA TI/TIC
 TREINAMENTO


 
PUBLICIDADE

 

 

 


 

 
 
Artigos

Private Cloud: passos para uma jornada bem-sucedida
Daniel Dystyler

O volume de informações na mídia sobre o tema cloud computing é denso e provém de uma pluralidade de fontes. Se partimos para um conceito global, a chamada computação em nuvem possui cinco características básicas que devem estar presentes em qualquer modelo de implementação.

Começando pelo usuário, através de ferramentas de auto-serviço, ele pode aumentar ou diminuir a quantidade de uso da nuvem sob demanda. Portanto, o usuário passa a ter controle. Ou ponto diz respeito ao acesso, que deve ser disponibilizado pela rede, ou seja, pela Internet. No quesito infraestrutura, é necessário que a mesma seja compartilhada, o que implica na segurança, que passa a ser fundamental. A quarta característica envolve a escalabilidade, que demanda uma estrutura elástica, para mais ou para menos, e fechamos com a capacidade de medição, que pode ser feita por transação, por uso de storage e por consumo de CPU, entre outras formas.

Essas cinco características (auto-serviço, acessibilidade, compartilhamento, escalabilidade e medição) permitem que tenhamos quatro modelos de implementação da nuvem: a nuvem pública (public cloud), a nuvem privada (private cloud), a nuvem híbrida e nuvem comunitária.

A nuvem pública, cuja infraestrutura é totalmente compartilhada e transparente para a empresa usuária, é usada principalmente em ferramentas de colaboração e serviços de hospedagem de servidores virtuais, como sites, por exemplo. Atualmente, exemplos populares deste tipo de implementação remontam aos modelos oferecidos por empresas como Amazon, Google etc.

Já a nuvem privada tem como principal característica uma infraestrutura dedicada à empresa usuária e pode ser interna, utilizando um Data Center virtual da empresa, ou externa, hospedando em algum provedor. O terceiro modelo de implementação de Cloud Computing é a nuvem híbrida, que possibilita a distribuição de recursos entre as nuvens privadas e públicas, por exemplo, em momentos de pico de consumo de recursos, ou que a empresa opte por manter dados confidenciais em determinado tipo de implementação da nuvem.

O último modelo, a nuvem comunitária, refere-se a duas ou mais empresas, normalmente de um mesmo grupo empresarial ou setor governamental, compartilhando a mesma nuvem privada.

Hoje, fala-se muito sobre o assunto, o tema está em voga o tempo todo quando o assunto é TI e algumas empresas possuem visão de futuro, porém poucas proporcionam ofertas concretas e reais de computação em nuvem. O que vemos no mercado é uma grande adoção da nuvem interna – a ideia do Data Center virtual – principalmente no que diz respeito às operações de TI que suportam o core business.

Uma breve análise do mercado atual de TI nos mostra que ele ainda está caminhando para entender a cloud e começando a analisar os benefícios que uma estrutura como essa pode trazer. Este quadro se confirma com a pesquisa realizada em junho de 2010 pelo grupo IDC, que revela o crescimento nos serviços de cloud, podendo chegar a US$ 55,5 bilhões em 2014.

O processo de transição para a private cloud deve preencher requisitos básicos para que a utilização da nuvem seja eficiente e traga resultados positivos. Por isso, o primeiro passo é a virtualização do Data Center da empresa. O objetivo é garantir que todas as informações estejam centralizadas e que o acesso seja feito de forma virtual, sem uma ligação direta com o hardware físico. Desse modo, conseguimos reduzir custos de infraestrutura, garantir compartilhamento de recursos e otimizar espaço físico corporativo.

Essa virtualização, que abrange todos os recursos computacionais (redes, servidores e armazenamentos, como na oferta completa da EMC, Vmware e Cisco, denominada VBlock), garante que a Tecnologia da Informação possa ser ofertada também como um serviço, aumentando a agilidade na provisão de recursos de TI para as demandas de Negócios, assim como os SLAs (Service Level Agreement) e a performance de uma infraestrutura virtual.

Em um segundo momento, a empresa deve determinar as diretrizes que vão gerir este ambiente virtual para que a governança aconteça de maneira clara e bem-sucedida. Com a definição de diretrizes e o desenvolvimento de SLAs (Service Level Agreement), fica claro para as partes envolvidas no processo quais e de quem são as responsabilidades, direitos e deveres.

Por fim, não podemos esquecer que deve haver alinhamento entre usuários e processos. Portanto, colaboradores devem ser treinados para gerir o ambiente de nuvem privada. Dessa forma, consegue-se agilidade no gerenciamento dos processos, segurança no armazenamento, difusão de dados e simplificação da TI da empresa.

A adoção de uma solução completa em nuvem é uma longa jornada, que está apenas começando. As ferramentas para construção de uma nuvem privada já são oferecidas pelo mercado com muita maturidade é a base para uma solução de nuvem mais abrangente. E as empresas, iniciando a jornada, já usufruem dos inúmeros benefícios que esse modelo oferece. E isso é apenas o começo. Com a popularização das public clouds, as possibilidades e ganhos para as empresas serão imensas.

Publicado em: 25/02/2011

Confira os comentários já feitos para este artigo:

 
VAGAS

  

VAGAS

CURRÍCULOS

Banner Rigel Botão Branco

Banner Guia Botão

Fundação Abrinq

Banner Call To Call Cotações

Banner Call To Call Cursos

Banner Call To Call sistema


Se desejar enviar esta página para um amigo, clique no botão abaixo:


 GUIA ONLINE  |  BANNERS  |  ÉTICA  |  GLOSSÁRIO   |  RESPONSABILIDADE SOCIAL  |   QUEM SOMOS  |  CLIQUE MAIS 

Sistema Call To Call - 11 5579-0341

Website criado por interAmplitude